O Encontro com um Filho de Bezerra de Menezes


Ramiro Gama, em seu livro “Lindos Casos de Bezerra de Menezes“, conta-nos uma história muita linda e emocionante sobre quando conheceu e conversou com um filho de Bezerra de Menezes.

O ano era 1942.
Ramiro Gama e sua esposa foram à Miguel Pereira, uma cidade no Estado do Rio de Janeiro, para proferir uma palestra em um Centro Espírita.

Ficaram conhecendo ali quatro almas carinhosas, devotados trabalhadores que serviam a Jesus.
Esses quatro Anjos chamavam-se Áurea, Norberto, Sinhozinho, e Benedito Andrade.


Ficaram no Centro, conversando sobre a Donzela de Donremi (Joana D’Arc), e sua incrível mediunidade de vidência e audiência, e de seu devotamento e amor a Jesus.

De repente sentiram uma luz diferente no ambiente e cheiro de flores.

E a conversa prosseguiu para alguns dos lindos casos de Bezerra de Menezes.
Falaram, emocionados, sobre os exemplos e o roteiro que ele havia deixado para servirmos a Cristo.

Muitos ali presentes ficaram visivelmente emocionados, com lágrimas nos olhos, ao se lembrarem de uma figura tão bondosa e doce, como Bezerra de Menezes.

Neste momento foi até o encontro deles um senhor idoso, com uma fisionomia simpática, que aparentava ter 60 anos de idade.
Era possível observar pelos seus olhos que havia chorado e tinha as mãos trêmulas.

Abraçou então, comovidamente, a Ramiro Gama e se apresentou como filho de Bezerra de Menezes.

Seu nome era Octavio, conhecido por “O Barão”.

Falou então que as histórias contadas por Ramiro Gama refletiam o exato perfil espiritual de seu pai.
Disse também que havia sentido a presença Espiritual e a satisfação de seu pai, por se lembrarem dele da maneira que ele desejava: pelos testemunhos dados junto a Jesus, na prática da caridade.

Muito emocionado, fez uma pausa, e então continuou dizendo que, somente após o desencarne de seu pai, sentindo muito a sua ausência, é que ele, seus irmãos e até mesmo sua mãe, conseguiram entender o Anjo que foi Bezerra de Menezes. E continua sendo até hoje.

Bezerra de Menezes
Bezerra de Menezes

O sr. Octavio informou que várias vezes, ele próprio achava o pai um pouco descuidado com o futuro da família, porque ele não se interessava em se enriquecer, como a maioria das outras pessoas.

Não aumentava seus bens materiais, nem parecia se importar em deixar alguns bens e até mesmo dinheiro para sua mulher e filhos.

Com o tempo ele foi percebendo que aquilo que ele chamava “descuido” era na verdade um aprendizado que Bezerra de Menezes havia deixado: há uma série de coisas muito mais importantes que uma situação financeira favorável.

A herança que seu pai deixou foi algo grandioso: um nome limpo e uma Alma pura, que trabalhou para divulgar os valores Cristãos.
O exemplo de ser bom e útil, praticando a caridade sempre em favor dos irmãos infelizes.

Arrependido, o sr. Otavio lamentava por não ter seguido os exemplos do pai.

Mas uma certeza consoladora se fixou em seu coração: não há glória maior do que ser sinceramente bom!

Ramiro Gama sentiu-se muito grato por ter tido a oportunidade de conhecer um filho de Bezerra de Menezes, de receber seu abraço e ouvir aquelas palavras tão bonitas e sinceras.

Nunca se esqueceu da graça recebida neste encontro.

E o carinho e devotamento que ele tinha pelo Espírito de Bezerra de Menezes, só fez aumentar, após ter conhecido seu filho, tão bom, simpático e humilde.

E para nós também: a cada nova história que ficamos conhecendo de Bezerra de Menezes, aumenta a nossa estima e consideração por esse Espírito de Luz que tanto amor e bondade espalhou em nosso país, enquanto encarnado, e continua a espalhar agora pelo Plano Espiritual.